segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Candomblé Djedje (Gêge ou Jeje)


Dahomé, o berço da nação Éwé e Fon, denominados Djedjes, no Brasil, enumeram-se em diversas tribos como os Agonis, Axântis, Gans-Crus, Popós etc.

Os primeiros povos djedjes tiveram como destino São Luís do Maranhão, onde ainda se mantém vivas as tradições religiosas trazidas da terra mãe, África. Também se encontra o ritual djedje em Salvador, Cachoeira de São Félix, Pernambuco entre outros estados do Brasil como Rio Grande do Sul e São Paulo, que também importou os rituais desta nação.

O descendente do Dahomé, hoje Benin, trouxe consigo o culto às suas divindades chamadas Voduns, cujo Deus Supremo é Mawu, a quem são subordinados, assim como Olódúmarè o Deus Supremo dos Orixás Yorubás. 

Diz a Mitologia Fon que Mawu tinha um companheiro chamado Lissá. Mawu era a Lua, que teve força ao longo da noite e viveu no oeste. Lissá era o Sol, que fez sua morada no Leste. Quando existia um eclipse dizia-se que Mawu e Lisa estavam fazendo amor. Eles eram pais de todos os outros Deuses. E existem catorze destes deuses, que eram sete pares de gémeos. Este relato é um mito do primeiro povo do Dahomé, os Fons.

O culto aos Voduns teve ênfase na Bahia, conhecido como Candomblé Djedje, e no Maranhão Tambor de Mina.

Algumas casas de djedje tiveram influencias dos yorubás e vice-versa, formando o que se chama de cultura Djedje-Nagô. 

A exemplo do candomblé, as instalações dos terreiros contam com um barracão central para as danças, pequenas casas reservadas para as diferentes famílias de divindades, onde são mantidos os assentamentos, há uma cozinha, quartos para dormir e se vestir e quarto onde os iniciados ficam recolhidos durante as obrigações. Há também a casa de Legba, onde são feitas grandes obrigações.

A iniciação djedje requer um longo período de confinamento, que pode durar de seis meses a um ano de reclusão, onde um Vodunsi aprende as tradições religiosas djedje como: danças, cantigas, preparo das comidas sagradas, cuidar de árvores e espaços sagrados, votos de segredo e obediência. As entidades são assentadas, recebem sacrifícios de animais, comidas, bebidas e outros presentes. Os assentamentos são preparados em pedras, que representam um “imã” que tem a força do Vodun, e ficam guardadas no quarto de segredo recobertos com jarras, louças e ferramentas.

Existem, também, assentamentos em outras partes da casa e do quintal marcados por árvores como a cajazeira, ginja e pinhão branco. É comum ter assentamentos no centro do barracão de danças; assim como em outras nações, no culto djedje também são feitos rituais de limpezas, banhos com ervas e muitas preces.


Mawu é o ser supremo dos povos Éwé e Fon, criador do mundo, dos seres vivos e das divindades. Mawu (feminino) e Lissá (masculino) formam a divindade dupla Mawu-Lissá cujos Voduns são filhos e descendentes de ambos. 

Os principais Voduns são: Loko; Gu; Heviossô; Sakpatá; Dan; Agbê; Águé; Ayizan; Agassu; Legba e Fa.

virligiams@gmail.com

Nenhum comentário: