sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Abikús


Um dos maiores mistérios existentes no culto aos Orixás, é o que envolve os Abíkús, espíritos infantis que, conforme determina o próprio nome, nascem para morrer. Talvez porque envolva espíritos infantis ou por falta de informações exatas sobre o assunto e por conta disso, muitas crenças são criadas e quase sempre absurdas.

O fato é que os Abikus:
NÃO são uma maldição;
NÃO são espíritos maléficos;
NÃO matam a própria mãe;
NÃO tem poderes sobrenaturais;
NÃO são bruxos;
NÃO incorporam;
NÃO podem receber cargos, muito embora sejam bastante respeitados e acredita-se que nenhum malefício possa atingi-los, o que também não é verdade.

É fato também, que um filho representa um grande tesouro. E para o Africano não é diferente. Na África, mulheres estéreis são consideradas como verdadeiras inutilidades.
Isso pode ser comprovado no Itan do Odú Ogbe-Hunle:

Omo l'okun
Omo ni de
Omo ni jingindinringin
A mu se yi, mú s'orun Ara eni.

TRADUÇÃO:
Um filho é como contas de coral vermelho.
Um filho é como o cobre.
Um filho é como alegria inextinguível.
Uma honra apresentável, que nos representará depois da morte.





Os Abikús são pessoas normais e como tal devem ser tratados porque é isso que são: NORMAIS com características diferentes dos demais tidos como “povo do santo”. Na iniciação sua cabeça é protegida por uma meia cabaça, pois segundo se acredita, sobre o orí de um Abíkú, não pode correr sangue.

O conceito de Abíkú deve ser reavaliado por nossos sacerdotes, já que este fenômeno ocorre em todas as partes do mundo e é necessário que nossos líderes religiosos não só o conheçam e compreendam profundamente, como possuam também, condições de solucioná-lo, sem mistificações, através de uma prática ritualística simples, mas muito efetiva.

É necessário, acima de tudo, que, uma vez contata a presença de um espírito Abíkú, os pais e as mães sejam informados de forma correta, sem medo ou repulsa e sem nenhuma conotação de perversão ou depravação espiritual, o que, sem dúvida, poderá ser obtido com muita fé e devoção aos Orixás.

virligiams@gmail.com

Nenhum comentário: